Imagem card

Chico César

Data Nasc.:
26/01/1964

Ocupação:
Cantor, Compositor, Jornalista

Formação:
Jornalismo

Chico César

Artigo disponível em: ENG ESP

Última atualização: 15/01/2018

Por: Maria do Carmo Gomes de Andrade - Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco

César Gonçalves, cantor, compositor e jornalista nasceu no dia 26 de janeiro de 1964, no município paraibano de Catolé do Rocha, situado a 450 km da capital João Pessoa. Chico César, como é conhecido, é o mais novo dos sete filhos da senhora Etelvina e do senhor Francisco Gonçalves.

Estudou no Colégio de Freiras Francisca Mendes até concluir o Segundo Grau.

Acostumado a ouvir cantadores e reisados desde criança, não tardou a criar seu próprio conjunto, chamado Super Som Mirim. Muito jovem e ainda em Catolé do Rocha, Chico trabalhou como vendedor na loja de discos Lunik, o que lhe deu oportunidade de conhecer a obra de cantores dos mais variados gêneros musicais, pois além de vender, ele podia ouvir os discos de Chico Buarque a Jackson do Pandeiro, Marinês e sua Gente, Caetano Veloso, Pixinguinha, Altamiro Carilho, Rolling Stones, Luiz Gonzaga, Roberto Carlos e outros cantores com projeção regional, nacional e internacional.

Por volta dos dezessete anos de idade, Chico foi morar em João Pessoa, capital da Paraíba. Lá ingressou na Faculdade de Jornalismo da Universidade Federal da Paraíba. Durante o período do curso participou do Jaguaribe Carne, grupo de vanguarda que surgiu em 1974, com a finalidade de estudar, difundir, praticar, experimentar, fazer intercâmbios e trocar idéias com artistas da cidade de João Pessoa e de todo o estado da Paraíba.

Aos 21 anos de idade e já tendo concluído a Faculdade de Jornalismo, Chico foi para São Paulo onde trabalhou como jornalista e revisor de textos, mas não perdeu de vista sua carreira artística. Tratou de se aperfeiçoar no violão e compor muitas músicas que encantavam o público que foi conquistando aos poucos. Fez amizade com artistas de vanguarda no cenário brasileiro como Itamar Assumpção e Arrigo Barnabé.

Na década de 1990, conseguiu por intermédio de uma amiga que trabalhava na Associação Cultural Brasil-Alemanha, realizar alguns shows na Alemanha, fato este que acabou lhe rendendo, pela primeira vez, visibilidade na mídia brasileira. Animado com o sucesso obtido, deixou o jornalismo e resolveu se dedicar totalmente a música. Formou então a Banda Cuscuz Clã, com a qual começou a se apresentar na Blen Blen Clube, casa noturna de São Paulo.

Das apresentações realizadas na Alemanha brotaram mais frutos e fez surgir o seu primeiro disco chamado de Aos vivos, gravado ao vivo em São Paulo, em 1994, e lançado pelo selo Velas, em 1995. O disco levou Chico ao sucesso com as músicas: Mama África que logo começou a ser tocada pela Radio Mundial FM e A primeira vista que se tornou sucesso nacional na interpretação de Daniela Mercury, incluída na trilha sonora da novela O Rei do Gado, da Rede Globo de Televisão.

Chico César teve finalmente seu nome reconhecido no cenário artístico nacional resultando em muitos shows e venda de discos. Em 1996, com o lançamento do disco Cuscuz Clã gravado pela Polygram, conquistou o Prêmio Sharp de Música na categoria de cantor revelação, o Prêmio APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte), na categoria de melhor compositor, e Prêmio Vídeo Music Brasil (VMB-MTV), na categoria de melhor videoclipe de MPB por Mama África. Em 1997, ganhou o Troféu Imprensa de melhor música por A Primeira Vista.

Ainda em 1997, depois de uma tournée pela Europa e pelo Japão, lançou seu terceiro disco chamado Belga, mano com participação especial de Dominguinhos, Arnaldo Antunes, Arrigo Barnabé e outros. Suas composições misturam ritmos como carimbó, folia e forró com música pop, do reggae, a salsa e juju music.

Em 2000, conquistou o Prêmio Panamco de melhor trilha sonora pelo espetáculo infantil Amídalas. Em 2001, o Grammy Awards de melhor desempenho pop masculino foi concedido a Sting (músico e cantor inglês), por sua interpretação da canção Soberana Rosa (She walks this Earth) composta por Chico César, Ivan Lins e Victor Martins.

Em 2003, fundou seu próprio selo musical, Chitas, pelo qual lançou álbuns de artistas como André Cibelli Abujamra.

Em 2009, Chico César esteve à frente da Fundação Cultural da Cidade de João Pessoa e, continuando sua experiência como gestor, ocupa desde 2010 o cargo de Secretario de Cultura da Paraíba.



 

Recife, 24 de novembro de 2011.

 

 

 

Fontes consultadas

CHICO César. Disponível em: <>. Acesso em 11 nov. 2011.

CHICO César. Disponível em: <>. Acesso em: 14 nov. 2011.

CHICO Cesar  [Foto neste texto]. Disponível em: <>. Acesso em: 2 Jan. 2014.

ENCICLOPEDIA da Música Brasileira – Popular. Uma obra com os grandes nomes e as principais composições do gênero. São Paulo: Editora Publifolha, [200--?]. Disponível em: <>. Acesso em 16 nov. 2011. 

Como citar este texto

Fonte: ANDRADE, Maria do Carmo. Chico César. Pesquisa Escolar Oline, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar>. Acesso em: dia mês ano. Ex.: 9 ago. 2009.