Imagem card

Provérbios

Existen en todo el mundo y son transmitidos de boca en boca, de generación en generación. Expresan, en suma, la filosofía popular de cada país.
 

Provérbios

Artículo disponible en: PT-BR

Pasado actualización: 23/03/2020

Por: Lúcia Gaspar - Bibliotecario de la Fundação Joaquim Nabuco

Vea también a Actividad Pedagógica ¡Provérbios!

Los provérbios son máximas o sentencias de contenido moral sobre las acciones humanas que nacieron de la vivencia y la experiencia popular.

Expresan de modo conciso esa experiencia acumulada por el pueblo e ilustran la llamada sabiduría popular. Son también conocidos como adagios, dictados o dichos populares.

Existen en todo el mundo y son transmitidos de boca en boca, de generación en generación. Expresan, en suma, la filosofía popular de cada país.

Fueron seleccionados a seguir algunos provérbios brasileños bastante conocidos:

Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura.
Tanto va el cántaro a la fuente, que al fin se rompe

Amor com amor se paga.
Amor con amor se paga

Amigos, amigos; negócios, à parte.
Amigos, amigos; negocios a parte

A pressa é inimiga da perfeição.
La prisa es enemiga de la perfección

A ocasião faz o ladrão.
La ocasión hace al ladrón

A mentira tem pernas curtas.
La mentira tiene piernas cortas

Aqui se faz, aqui se paga.
Lo que se hace se paga

Cada louco com sua mania
Cada loco con su tema

Cada qual sabe onde lhe doem os calos.
Cada uno sabe donde le aprietan los zapatos

Casa de ferreiro, espeto de pau.
En casa de herrero, azadón de palo

Comer e coçar, é só começar.
Comer y rascarse es solo comenzar

 Cão que ladra não morde.
Perro que ladra no muerde

 Da discussão nasce a luz.
De la discusión nace la luz

De médico, poeta e louco, todo mundo tem um pouco.
De músico poeta y loco, todos tenemos un poco
De cuerdo y loco, todos tenemos un poco

Deixa estar, jacaré, que a lagoa há de secar.
Camarón que se duerme se lo lleva la corriente

 Desgraça pouca é bobagem.
Poca verguenza es tonta

Devagar com o andor, que o santo é de barro.

Diz-me com quem andas e dir-te-ei quem és.
Dime con quien andas y te dire quien eres

Dois bicudos não se beijam.
Entre bueyes no hay cornadas

 É melhor prevenir que remediar
Mejor prevenir que lamentar

Em boca fechada, não entra mosca.
En boca cerrada, no entra mosca

 Em briga de marido e mulher, não metas a colher.
En pelea de marido y mujer, no metas la cuchara

 Em terra de cegos quem tem um olho é rei.
En el país de los ciegos, el tuerto es el Rey

Falar é fácil, fazer é que é difícil.
Hablar es fácil, lo que es difícil es hacer

Filho de peixe, peixinho é.
Hijo de tigre sale pintado.

Gato escaldado tem medo de água fria.
Gato escaldado, del agua fría huye

Há males que vem para bem.
No hay mal que por bien no venga

O justo paga pelo pecador.
Justos pagan por pecadores

Macaco velho não mete a mão em cumbuca.
Mico viejo no mete la mano en tazón

Mais vale um pássaro na mão do que dois voando.
Más vale un pájaro en mano que cien volando

Nada como um dia depois do outro.
Nada como un día después del otro

Nem tudo que reluz é ouro.
No todo lo que brilla es oro

Nunca digas: desta água não beberei.
Nunca digas: de esta agua no beberé

Não deixes para amanhã o que podes fazer hoje.
No dejes para mañana lo que puedes hacer hoy

Não faças aos outros aquilo que não queres que te façam.
No hagas a los otros lo que no quieres que te hagan a ti

Onde há fumaça, há fogo.
Donde hay humo, hay fuego

Para bom entendedor meia palavra basta
A buen entendedor pocas palabras bastan

Pau que nasce torto, não tem jeito, morre torto.
Árbol que nace torcido, jamás su rama endereza

Pimenta nos olhos dos outros é refresco.
Pimienta en los ojos de los otros es refresco

Quando a esmola é demais, o santo desconfia.
Cuando la limosna es muy grande, el santo desconfía
 
Quando um burro fala, o outro baixa as orelhas.
Cuando un burro habla, el otro baja las orejas

 Quando um não quer, dois não brigam.
Cuando uno no quiere, dos no pelean

Quem ama o feio, bonito lhe parece.
Quien ama al feo bonito le parece

Quem cala consente.
Quien calla otorga

Quem canta seus males espanta.
El que canta sus males espanta

Quem com ferro fere, com ferro será ferido.
Quien con hierro hiere, con hierro será herido

Quem desdenha quer comprar.
Quien desdeña quiere comprar

Quem diz o que quer ouve o que não quer.
Quien dice lo que quiere, oye lo que no quiere

Quem dá aos pobres empresta a Deus.
Quien da a los pobres presta a Dios

Quem espera sempre alcança.
El que espera siempre alcanza
 
Quem não arrisca não petisca.
Quien no se aventura, no pasa la mar

Quem não chora não mama.
El que no llora no mama

Quem não deve não teme.
El que no debe no teme

Quem sai aos seus não degenera.
Quien sale a los suyos no degenera

Quem tem boca vai a Roma.
Quien boca lleva a Roma llega

Quem tem rabo de palha não senta perto do fogo.
Quien tiene rabo de paja, no se sienta cerca del fuego

Quem tem telhado de vidro não atira pedra no do vizinho.
Quien tiene casa de cristal no tira piedra en el vecino

Quem é bom já nasce feito.
Quien es bueno nace hecho

Quem é vivo sempre aparece.
Quien está vivo, siempre aparece

Ri melhor quem ri por último.
El que ríe de ultimo,  ríe mejor

Santo de casa não faz milagre.
Santo de casa no hace milagros

Tamanho não é documento.
Tamaño no es documento

Um dia é da caça, outro do caçador.
Un día es de caza, otro de cazador

Um homem prevenido vale por dois.
Hombre prevenido vale por dos

Um mal nunca anda só (sozinho)
El mal nunca anda solo

Uma andorinha só não faz verão.
Una golondrina, no hace verano

Uma mão lava a outra, ambas lavam o rosto.
Una mano lava la otra, ambas lavan el rostro

Vão-se os anéis, ficam os dedos.
Se van los anillos, quedan los dedos
 
Recife, 14 de diciembre de 2005.
(Actualizado el 16 de septiembre de 2009).
Ilustración de Rosinha.

fuentes consulted

PROVERBIOS. Disponível em: <http://www.lifesabirch.org/proverbios> Acesso em: 12 dez. 2005.

ROSSATO, José Carlos. Nosso folclore. São Paulo: Soma, 1987.

SOUTO MAIOR, Mário; LÓSSIO, Rúbia. Dicionário de folclore para estudantes. Recife: Fundaj. Ed. Massangana, 204.

cómo citar este texto

Fuente: Gaspar, Lúcia. Provérbios. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <https://pesquisaescolar.fundaj.gov.br/es/>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.